quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O Lapinha e o Batman

Na última década, com a melhora e a estabilidade da economia no Brasil, as cidades cresceram muito. Um exemplo é a cidade de São Luiz do Maranhão, onde estive recentemente, e fiquei surpreso com a mudança. Eu não pernoitava por lá há quase 15 anos, e só conhecia a região central, além da cidade histórica de Alcântara. Desta vez eu encontrei uma outra cidade, já que o hotel em que fiquei hospedado com a tripulação fica em um área totalmente nova. Um bairro próximo à praia do Calhau, cheio de prédios novos, onde é difícil achar alguma construção com mais de 10 anos.

Belém do Pará é outra cidade que cresceu bastante e ganhou novas atrações e áreas de lazer. Mas também perdeu, pois o antológico Lapinha não existe mais! O Lapinha era um bar-restaurante-boate-casa de espetáculos onde no palco havia shows eróticos, strip-tease e até apresentações de sexo explícito. Ao contrário do que possa parecer, lá não era um ambiente de baixo nível, e embora houvesse também, não era um antro de prostituição. Era um espaço grande, frequentado por todo o tipo de gente, homens e mulheres incluindo a sociedade de Belém, empresários, políticos, turistas e tripulantes.
Era um grande programa quando os tripulantes se reuniam em turmas de seis ou mais pessoas e à noite seguiamos de taxi para o Lapinha. Na entrada havia sempre uma fila, onde nós tripulantes tínhamos entrada livre, sem pagar consumação mínima ou couvert artístico mediante a apresentação do crachá da empresa. Até um certo horário da noite a casa era um bar-restaurante comum, com música tocando e espaço para dança. A partir de certa hora todos se sentavam, pois os shows iam começar! Sempre precedido do famoso bordão - LADIES AND GENTLEMENS, (assim mesmo, com um S no final, criando um plural na palavra cavalheiros) WELCOME TO LAPINHA, IT'S WONDERFUL! - a sequência de shows eróticos começava. Depois de quinze minutos de apresentações de strip-tease, sexo explícito e outros malabarismos, havia um intervalo onde retornava o clima de bar-restaurante, para algum tempo depois subir ao palco uma nova atração.  E assim seguia pelo restante da noite. Era divertidíssimo, dávamos muitas risadas.

Para mim, ir ao Lapinha só fazia sentido se fosse em turma, incluindo obrigatoriamente as comissárias, já que ir só em grupo de homens, era virar alvo fácil das garotas de programa. Certa vez estávamos em uma mesa com cerca de dez tripulantes, quando o comandante do meu voo me deu um dinheiro para pagar a parte dele na conta e saiu discretamente acompanhado de uma mulher.  No dia seguinte perguntei a ele como havia sido a noitada. Ele se fez de desentendido até que eu fui mais específico, perguntando como tinha sido a noite com a garota que ele tinha "arrastado" e quanto tinha custado o programa. Ele disse que a moça era uma pessoa muito educada, de bem, e que não custou nada, mas que ele fez questão de pagar o taxi para ela na manhã seguinte. Êta taxi caro!  Em outra ocasião encontrei no hotel um colega, copiloto na "velha" Varig, que me convidou para ir ao Lapinha. Quando ele disse que iria acompanhado do comandante e do mecânico de voo (lembram dos"gnomos", que voavam o B 727 cargueiro?), eu recusei o convite, preferi não ir.

Ao sair do Lapinha no fim da noite, ainda havia ânimo para uma "saideira" no boteco em frente ao hotel Hilton. Situado na Praça da República, junto ao Teatro Municipal, este bar é frequentado pelos mais diversos tipos de gente, e por ter as mesas e cadeiras situadas em um terraço alguns degraus acima do bar, ganhou dos tripulantes o apelido de "Upper Deck", em alusão à cabine superior  no segundo andar do Jumbo 747.

Fui ao Lapinha umas cinco vezes e em todas elas eu cumpri com o que  combinei comigo mesmo: me comportar, voltar para o quarto sozinho, dormir e acordar sozinho! O Lapinha fechou há uns anos atrás. Dizem que uma outra boate tentou assumir a lacuna deixada, mas nunca será  a mesma coisa.

Mas e o que tem o Batman a ver com o Lapinha? Bem, esta estória eu conto na semana que vem.

16 comentários:

  1. Santa curiosidade, BATMAN!! KKKK

    ResponderExcluir
  2. Histórias que a vida nos fazem passar e ter saudade , CMTE!
    Abxx e que venha o homem morcego , risos
    Giovanni H

    ResponderExcluir
  3. Comandante seu blog é fantastico! parabéns! comecei a acompanhar agora, e já li tds os seus posts.. mto bom! vc deveria fazer um livro!

    to começando minha vida na aviação e fiz um blog... to colocando algumas coisas,ñ historias tão boas como a suas! mais ainda chego lá....rsrs
    um gde abraço Deus t abençoe

    Thimoteo Campos
    meu blog: http://thimoteocampos.tumblr.com
    um abs!

    ResponderExcluir
  4. Apareça mais comadante a sao luis do maranhao a nossa cidade cresce mais a cada dia, seu blog e otimo abraços........

    ResponderExcluir
  5. Grande Carvalhinho!

    Esse seu post me fez lembrar dos "good old times", quando recebíamos as diárias na chegada dos locais de pernoite e, com dinheiro no bolso, podíamos até pagar caro pelo táxi das meninas (he, he, he!).

    Depois que passaram a depositar as diárias na conta corrente, esse dinheiro se integrou ao orçamento mensal de muita gente e nunca mais a aviação foi a mesma.

    Sempre que chegava a Belém, naquele vôo vindo de Manaus com escalas em Porto Trombetas e Santarém, logo após o pouso eu falava no PA (não é abreviação de Pará, mas sim de Public Address): "Ladies and Gentlemans, welcome to Belém! It's wonderful! (essa parte você esqueceu de mencionar), imitando a voz do locutor do Lapinha.

    Tendo em conta que muitos dos passageiros ali presentes eram também frequentadores do Lapinha, você já pode imaginar quão alegre era a chegada do vôo...

    Obrigado por mais essa boa recordação.

    Um abração,


    Moraes


    PS: Falando em Porto Trombetas, você se lembra da AFTA?

    ResponderExcluir
  6. Caro Cmte. Carvalho, primeiramente devo me apresentar. Me chamo Gabriel Toledano (o nome não deve ser estranho, não é mesmo? rsrs) não encontrei aqui no blog uma forma de entrar em contato diretamente com o Senhor através de e-mail, por isso estou escrevendo. Gostaria de conversar sobre um projeto que estou produzindo, e me sentiria IMENSAMENTE honrado de tê-lo como um dos colaboradores. Por favor entre em contato comigo no e-mail cmdtoledano at gmail dot com (formato para evitar spam) para que eu possa dar os detalhes do projeto ok? Ou se preferir, meu MSN é gabrieltoledano at hotmail dot com.

    ResponderExcluir
  7. Caro Timothero Campos, visitei o seu blog mas não consegui "seguir" ou deixar uma mensagem. mMuito legal, e gostei de ver o meu desenho no seu texto.

    Moraes, eu realmente tinha me esquecido do complemento: It's wonderful! Já acrescentei ao meu texto, obrigado pela lembrança.

    Toledano, vou te enviar um e-mail.

    Abçs, Roberto.

    ResponderExcluir
  8. Olá Beto,conhece o comandante João Hübler?

    ResponderExcluir
  9. Como vai Beto?
    Eu iniciei meu PP em Amarais recentemente.Confesso que quando estou a caminho do aeroclube na rodovia dos Bandeirante,fico lembrando de todas as histórias que li aqui no seu blog.Conheci minha namorada no Aeroclube de São Paulo,onde fiz o meu PP teórico,e na mesma época ela fazia o curso de comissária.Ja estamos juntos a três anos.Gostaria que o senhor contasse um pouco de sua carreira junto com a sua esposa uma vez que ela também é comissária.Pois acho que também estou indo pro mesmo caminho.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. Bela história comandante, tu realmente tens histórias pra encher um livro facinho, facinho. Parabéns mais uma vez pelo blog, sempre estou dando uma passada por aqui em busca de novas histórias.

    Mariel Fonseca
    Natal/RN

    ResponderExcluir
  11. Caro Anônimo, é claro que eu conheço o João Hubler, também conhecido por "Little Feather"! Voeu com ele no Electra quando ele ainda era F/E, e depois fomos colegas de 737 na velha Varig.

    Fontes, volta e meia eu escrevo sobre a minha mulher, e sobre minha carreira que está toda nas estórias já contadas. Eu acho que namorar, se relacionar e casar com comissária, dá muito certo. Vá em frente, sucesso para o casal!

    Abç, Roberto.

    ResponderExcluir
  12. `` O Lapinha'',cujo o símbolo era um galo, propriedade de um carioca radicado em Belém,Sr.Alencar,tinha um irmão no Acre que gerenciava ou Varig ou Transbrasil.A direção artística na época ao encargo de Hudy Star,eta anos 80.Era bom demais.Parabéns pela citação.Mais o Sr, não conheceu o Pagode Chinês,era na Condor também,bairro com este nome devido ao terminal Aerohidroviário dos catalinas da CIA AÉREA CONDOR,e da Panair do Brasíl.

    ResponderExcluir
  13. saudades do lapinha, welcome to the news lapinha show, anunciava o locutor

    ResponderExcluir
  14. I have just installed iStripper, and now I enjoy having the best virtual strippers on my taskbar.

    ResponderExcluir