quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Ônus e bônus

No mês de agosto ocorre em São Paulo a Labace, Latin American Business Aviation Conference & Exhibition, que é um evento voltado para a aviação executiva, com vários aviões e helicópteros expostos em um grande pátio do aeroporto de Congonhas. O visitante pode ver de perto um Robinson 22, helicóptero para 2 pessoas, um Bombardier Global 6000, um Gulfstream G650, ou um Falcon 7X, que estão entre os maiores jatos executivos com capacidade de transportar até 4 tripulantes e 18 passageiros em voo de São Paulo para Moscou sem escalas! Há também stands de diversos prestadores de serviços para a aviação executiva.


Estive por lá nesta última edição, e além de poder entrar em alguns aviões que há tempos eu gostaria conhecer, foi muito legal reencontrar colegas de profissão e conversar com aqueles que já foram da aviação comercial e que migraram para a aviação executiva. Atualmente estes pilotos da aviação executiva, especialmente os que voam  os maiores jatos, ganham um salário bem superior ao que se paga na aviação comercial. Também pudera, pois ao contrário da aviação comercial onde a estrutura de apoio está sempre funcionando, bastando ao piloto comparecer ao avião e exercer o ofício de piloto, na aviação executiva, embora haja uma estrutura a disposição, cabe ao piloto gerenciar estes recursos de maneira correta e acioná-los no tempo certo. Planejamento do voo, análise da quantidade de combustível, autorizações de sobrevoos, serviços aduaneiros, limpeza da aeronave, programas de manutenção, local de pernoite do avião e tantos outros itens são preocupações dos pilotos da executiva. Se as coisas não saírem direito o patrão não vai gostar, por isso ele paga bem aos seus pilotos!


Esta é uma aviação onde a discrição é fundamental, eles nunca revelam quem são os patrões, detalhes do avião ou quem foram os passageiros de determinada viagem.

ÔNUS E BÔNUS


Como quase tudo na vida, para cada bônus há um ônus, e as estórias que os pilotos da aviação executiva contam são interessantíssimas.  


Uma dupla de pilotos, após um longo voo de São Paulo para Paris, estava finalmente se acomodando no apartamento do hotel quando o telefone toca. Era o seu patrão perguntando como eles estavam se sentindo, pois havia surgido a necessidade de buscar um casal em Nova Iorque, e que isto seria importante para ele e para a empresa. O piloto diz que não há problemas e pergunta para quando seria este voo. – Para já! Responde o patrão. Fecha-se as malas e os pilotos voltam para o aeroporto, voam para os EUA, lá ficam uma hora em solo e retornam a Paris. Chegam exaustos no hotel no dia 31 de dezembro e só acordam no final da tarde do dia seguinte! Dias depois, ao regressar ao Brasil, cada um recebe do patrão um envelope com U$ 10.000 como forma de reconhecimento pelo trabalho.


Aspen, no Colorado, é outro destino que os milionários (bilionários parece mais adequado) adoram, principalmente no inverno.  Dia 20 de dezembro um destes jatos de 30 milhões de dólares decola para uma temporada de inverno nas estações de esqui americanas. Para os seletos passageiros uma verdadeira farra, para os pilotos nem tanto assim. Eles não podem alugar um par de esqui e descer as montanhas, afinal, se alguém for quebrar a perna é o patrão e seus convidados, e os pilotos devem estar prontos para transportá-los para onde for necessário. Um dos comandantes, sabendo que eles não regressariam ao Brasil antes do dia 5 de janeiro, consegue com muito jeito perguntar ao patrão se ele se importaria em liberá-lo para regressar ao Brasil em avião comercial, com a promessa de estar de volta no dia 2 de janeiro. O patrão diz que vai pensar, mas no mesmo dia diz que prefere que ele fique em Aspen, pois a qualquer momento os planos podem mudar.


Os planos mudam muito nesta aviação executiva. Um dos patrões mais folclóricos é um senhor do ramo do dinheiro, um renomado banqueiro. Dizem que os pilotos deste patrão nunca sabem para onde vão até que chegam ao avião. Certa vez havia uma viagem programada para decolar ao meio dia, assim, logo cedo os pilotos, e em muitos aviões a comissária também, já estavam no aeroporto para deixar tudo pronto e impecável. Acontece que quando se tem um avião particular, quem determina os horários é o dono, e foi somente no final da tarde que o patrão apareceu e embarcou. Neste momento o comandante cumprimentou seu patrão comentando que ele estava aguardando-o há horas. Já na Europa, ao desembarcar, o patrão teria dito ao comandante para regressar em avião comercial e passar na empresa para receber as contas, pois no dia em que ele, patrão, tiver que dar satisfação ao motorista, digo, ao piloto, ele se aposentaria.


 Um outro colega, que voa um avião de médio porte, daqueles para 10 passageiros, de alcance médio e que custa apenas 17 milhões de dólares, comentou que a rotina é bem variada. Voa-se para tudo quanto é lugar, com programações que podem ser de 5 dias mas que também podem ser de 40 dias! Eles ficam rodando e quando não é o patrão que está viajando, muitas vezes eles estão transportando outros empresários, políticos, a nora, a sogra e os amigos do patrão. Em um mês o valor das gratificações e diárias de alimentação chegam a seis mil dólares!


O piloto de um conhecido empresário/dirigente de futebol conta que ao chegar de uma longa jornada foi liberado para quatro dias seguidos de descanso. – Maravilha! Vou arrumar as coisas e passar uns dias com a família em Cabo Frio. No mesmo instante em que ele colocava as tralhas no carro e saia da Barra da Tijuca, seu patrão tomava um uísque com os amigos na sua cobertura com vista para o mar. Conversa vai, conversa vem e alguém sugere uma viagem de uns dias para Mônaco. Quando? Que tal agora? O comandante estava cruzando a ponte Rio-Niterói quando o telefone toca. Ele identifica a origem da chamada e tem vontade de jogar o celular pela janela, mas resignado, ele atende: - Pois não? Cancela tudo, volta para casa e no dia seguinte já está na Riviera Francesa. Quanto “glamour”!  


A  aviação executiva é assim, sempre à disposição. Para estes grandes jatos executivos, o mundo fica realmente pequeno e nesta aviação há dia para sair, mas não há uma data certa para o regresso, e não cabe ao piloto perguntar ao patrão quando é que ele pretende voltar.


Há mais estórias que em breve eu vou contar.
  


20 comentários:

  1. Sensacional, Roberto!

    São todas histórias que, para aspirantes a pilotos jovens como sou, é de brilhar os olhos. De toda forma, imagino como difícil deve ser viver em uma situação assim. Família então, nem pensar, né?

    Vamos ver para que rumo a aviação vai me levar! Por enquanto, não me cabe escolha a não ser a que me permitir voar!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. eu sempre tive curiosidade sobre a rotina na Aviação Executiva, ou melhor, acho que cabe dizer...a ausência de rotina!
    Abraço Beto,

    ResponderExcluir
  3. Que histórias heim comandante.. É realmente uma vida de muitas abstenções, porém financeiramente é ótimo heim.

    Abraços,
    Rafael Moura

    ResponderExcluir
  4. Um amigo que pilotava executivo na década de 1980 me falou que o pior acontecia quando o patrão perdia dinheiro e precisava trocar de avião. Da noite para o dia o piloto era obrigado a abandonar o avião que já conhecia por outro mais antigo, com muito mais ciclos e de manutenção alheia. Simplesmente o patrão ou a empresa trocava o dinnheiro do patrimônio, que recebia a vista, pela conta mais cara de manutenção e consumo, que pagava a prazo mas que era menor do que a taxa de juros. Essa tipo de operação sempre onerava seu volume de trabalho. Nunca participava dessas decisões e chegou a se demitir mais de uma vez por esse motivo. Ainda contou que o contrário, a troca por uma aeronave melhor era sempre mais rara, pois era intercalada por três ou quatro "downgrade".

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre fui apaixonado pela aviação, mas a vida me levou para outro caminho. Hoje sou piloto, mas voo apenas por prazer. Lendo essas estórias vejo que eu não me adaptaria a essa aviação. Sou um cara caseiro, gosto de estar com a família, planejar viagens. E não gosto de ser submisso a alguém desta forma. Tratar outra pessoa assim, a meu ver, é desumano, não importa quem você seja ou quanto de dinheiro você tenha no banco. No meu meio tambem há muita soberba e arrogância (judiciário) e isso freqüentemente me entristece. A aviação comercial, acredito eu, é um pouco diferente. Há escalas determinadas com certa antecedência, e o comandante não tem que lidar diariamente com alguém que tem o rei na barriga. Para mim, dinheiro nenhum paga minha paz de espirito. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Beto, desculpe postar esta pergunta aqui. É que despertou em mim o desejo de ser piloto e estou pensando com carinho sobre. Teu blog me incentiva e muito em seguir carreira. Só tenho um receio: Sofro de rinite alérgica. Gostaria de saber se você sofre de rinite, ou sabe se no meio da aviação existem pilotos com rinite, e se isso influenciaria consideravelmente na minha qualidade de vida. Já sei que o exame médico é bem rigoroso. Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. jão, eu tenho rinite e tenho os certificados médicos exigidos... até hj não foi problema! Abç

      Excluir
    2. Obrigado Padu. Bons voos!

      Excluir
    3. Caro Jão, é como o Padu disse, a renite pode incomodar mas não vai impedir de seguir na profissão. Um abraço, Beto.

      Excluir
    4. Olá,

      Você pode consultar a RBAC 67 na página da ANAC (http://www2.anac.gov.br/biblioteca/rbha.asp). Lá tem todos os requisitos mínimos para aprovação no exame médico.

      Excluir
  7. Histórias muito pitorescas cmte!
    Obrigado por compartilha-las conosco!

    abs

    ResponderExcluir
  8. belissimo post!! mais uma vez nos deliciamos com suas estórias!!!

    ResponderExcluir
  9. Concordo com comentario de que viver de uma forma semi escravizada não é bom!!
    Sei que as pessoas tem seus compromissos,mas da forma que foi contada certas passagens(a viagem para Monaco)fica parecendo que o comandante era um capacho ou um fatoche!!!
    Dinheiro é muito bom,mas familia,respeito,dignidade estão acima,e gente muito rica pensa que é "deus"!!
    Eu amo,adoro aviação,mas penso que nestas circuntancias teria muita dificuldade de me adaptar!!
    De toda maneira o post foi excelente,nos mostrando mais uma faceta deste mundo incrivel da aviação!!
    Só nos resta agradecer a voce Comandante Carvalho por nos abrir as portas desse universo com tanto talento!!!

    ResponderExcluir
  10. Sendo solteiro e não tendo família, esse seria um estilo de vida (no mínimo) interessante. :)

    Eu não sou piloto (sou analista de suporte, apenas amante da aviação), mas já trabalhei para um chefe instável. No menor dos problemas que, facilmente poderiam ser resolvidos por telefone ou remotamente, eu precisava pegar o carro da empresa e me deslocar até outra(s) cidade(s) para acompanhar alguma manutenção ou resolução de outra pessoa.

    Era divertido (financeiramente também, diária$!), mas tem hora que cansa.

    ResponderExcluir
  11. Prezado Cmdte,

    Uma dúvida de quem não trabalha no ramo. As regras de horas de vôo por semana/mês/ano que se aplicam na aviação comercial não existem na executiva? E quando os vôos são maiores que 10 horas, é obrigatório tripulação reserva?

    Abraços,

    Tibúrcio Barros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Tibúrcio esta sua dúvida é bem pertinente. A definição de AERONAUTA, segundo a lei, é aquele que exerce função a bordo de aeronaves, então o piloto de aviação executiva e particular é um aeronauta. As regras são mais flexíveis para estes pilotos, mas a verdade é que eles não seguem. Ouvi dizer inclusive que a ANAC tem estado no pé dos taxis aéreos. Voos longos, esperas infindáveis nos aeroportos, jornadas malucas fazem parte desta aviação. Lei da selva. Abç, Roberto.

      Excluir
  12. Muito show Beto!
    Essas histórias da executiva me fascinam, escreva mais quando puder! Só uma dúvida, no caso de Paris-NY-Paris, os pilotos não estouraram a jornada de trabalho?

    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Ótimos relatos comandante.

    Isto me faz pensar muito se quero ser empregado ou patrão, admito que ser patrão é mais interessante rs.

    Eu o vi na LABACE, mas parecia apressado, então preferi não incomodar.

    Do mesmo jeito, bons voos.

    Athos Gabriel.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, demitiu o cara porque ele perguntou onde o patrão tinha ido? Quanta ignorância... esses magnatas são uns estúpidos. Com motoristas, empregados, pilotos, seja lá quem for, são sempre assim.

    ResponderExcluir