terça-feira, 9 de março de 2010

Reservas e sobreavisos

Na escala de trabalho de um tripulante há sempre os plantões, afinal, um voo não pode deixar de sair devido a falta de pilotos ou comissários. Na aviação comercial os plantões podem ser no aeroporto ou em casa.

RESERVA: É o período de tempo em que o aeronauta permanece, por determinação do empregador, em local de trabalho à sua disposição, sendo que o período de reserva não excederá de 6 horas.

O local determinado pelo empregador, neste caso, é o aeroporto, mais especificamente no Despacho Operacional, que é um grande espaço onde os tripulantes se reunem antes de seguir para os aviões, o chamado D.O. Ficamos por lá, alguns já uniformizados, outros à paisana tendo o uniforme pronto para vestir. Neste período, aproveitamos para bater papo, saber das novidades e fofocas da empresa e encontrar colegas que não víamos há tempos. Há no D.O. uma sala de repouso, dotada de poltronas onde é possível dar uma cochilada, o problema é que constantemente um auto-falante anuncia a chamada de voos, chamada a tripulantes e outras informações que podem inclusive ser para você se apresentar imediatamente e efetuar um voo. Podemos nos ausentar por breves períodos (viva o celular que nos deixa comunicáveis a todo instante!) para tomar um cafézinho, passear pelo sagão do aerporto e observar o movimento e também dar um pulo na livraria. Sempre que cumpro uma reserva e não sou acionado, volto para casa cheio de novidades, fofocas e notícias dos amigos para contar.

Quando em reserva, podemos ser acionados para ir para qualquer lugar, então o desafio e fazer uma mala que contemple todas as possibilidades. Roupa de frio e de calor, roupa mais arrumada e também roupas mais descontraida. Assim já aconteceu de eu levar casaco de lã e cachecol para Manaus, e também ir para Londres munido de sunga e sandálias Havainas!

SOBREAVISO: Sobreaviso é o período de tempo não excedente a 12 horas, em que o aeronauta permanece em local de sua escolha, à disposição do empregador, devendo apresentar-se no aeroporto ou outro local determinado, em até 90 minutos após receber comunicação para o início de nova tarefa. O número de sobreavisos que o aeronauta poderá concorrer não deverá exceder a 2 semanais ou 8 mensais.

No sobreaviso ficamos em casa aguardando uma eventual convocação. No passado, antes da popularização dos telefones celulares, a logística do sobreaviso era um pouco mais complicada pois ficando em casa, tínhamos a preocupação de não usar muito o telefone, mantendo a linha livre para uma possível chamada da empresa. Havia os tripulantes que usavam da prerrogativa de não fornecer à Escala de Voos (setor responsável pela movimentação e acionamento dos tripulantes) o número de telefone de suas residências, e neste caso, a empresa enviava um emissário que ia na residência do tripulante tocar a campainha ou interfone com o comunicado de acionamento. Muitas vezes, este emissário acabava chegando após o horário de término do sobreaviso, então corria-se o risco do tripulante, ao não desejar ser acionado, sequer atender a campainha ou interfone, afinal, o período de disponibilidade legal já havia encerrado!

Hoje em dia com a telefonia móvel, ficou bem mais fácil para o tripulante e para a empresa. Já cumpri sobreaviso no clube, jogando tênis com o celular no bolso, já cumpri almoçando fora com a família, no shopping e até dentro de uma sessão de cinema. Para isso, basta estar de barba feita e com a mala no carro, pronto para seguir direto para o aeroporto.

Há uns anos atrás, quando voava o MD-11, estava em casa de plantão até as 23 hs. Havia voltado de um restaurante japonês em que heroicamente me abstive de tomar uma cerveja ou um saquê, pois nunca se sabe quando vamos ser acionados. Faltavam 5 minutos para o encerramento do meu sobreaviso, estava de pijama, quase apagando o abajour para dormir, quando o telefone tocou. Estava sendo acionado para ir o mais rápido possível para o aeroporto, pois um dos comandantes do voo para Paris não havia se apresentado, e sequer dado notícias! Os passageiros estavam aglomerados no saguão de embarque e faltavam apenas 45 minutos para o horário de saída do voo. Procurei ser o mais rápido possível e enquanto eu tomava uma ducha rápida, minha mulher já ajeitava umas roupas na minha mala. Dei um beijo nela e nas crianças, e segui para Guarulhos. Ao passar pelos passageiros que aguardavam impacientes pelo momento do embarque, pensei que ou seria vaiado ou aplaudido. Fui aplaudido!

Há os tripulantes que se mostram disponíveis para ser acionados, ainda que fora do horário previsto, e aqueles que não aceitam serem contatados fora do periodo de sobreaviso. Quando a aviação está "enrolada", a Escala de Voo sai procurando os tripulantes para serem acionados, e a necessidade pode ser tão grande, que mesmo quem está de folga corre o risco de ser contatado. Certa vez, no aeroporto do Galeão-RJ, havia um voo de Jumbo 747, que por algum motivo necessitava de um comandante. Depois de procurar alguém disponível para assumir aquele voo, a Escala encontrou um comandante que inclusive morava na Ilha do Governador, que sendo bem próximo ao aeroporto, talvez nem atraso acarretaria no voo. Ligaram para ele, pedindo então que ele viesse o mais rápido possível. Acontece que este comandante já estava aposentado a quase um ano, o nome dele nem deveria constar da relação de pilotos da empresa! Pensando que se tratava de uma brincadeira, o comandante se prontificou a realizar o voo, dizendo inclusive, que o embarque poderia ser iniciado pois em menos de 30 minutos ele já estaria chegando. Passado mais de uma hora um novo contato foi feito, e a confusão esclarecida, tendo a Escala que reiniciar a procura por um comandante disponível. O resultado foi que além do voo sair com mais de duas horas de atraso, o comandante que já estava aposentado, ainda recebeu uma punição! Ele teve o direito de comprar passagens aéreas com desconto revogado! Mas foi por poucos dias pois ele se dirigiu à Diretoria de Operações, que ao perceber o absurdo cometido, devolveu a ele os direitos.

Outra estória engraçada, foi de um colega que estava em casa à noite com sua mulher, quando o telefone tocou. Ele mesmo atendeu, e o funcionário da Escala, se identificando como tal já foi perguntando se quem estava falando era o comandante "Fulano". Não desejando, e estando desobrigado a aceitar progamações naquele momento, ao mesmo tempo que não queria se negar a atender uma solicitação, ele teve uma grande inspiração e pediu um momento à quem estava do outro lado da linha. Então, como que se dirigindo a sua esposa que estaria ao seu lado, disse, de forma que o funcionário da escala de voos pudesse ouvir: - Amor, deve ser telefone para o seu marido, pois se identificaram dizendo ser de uma tal "escala de voos"! Nisso o cara da escala achou que estava dando o mair fora, e imediatamente desligou o telefone! Que blefe!
  • As fotos são de Salvador, Santos e Fortaleza.

8 comentários:

  1. Entendido. Há possibilidades do Piloto ser somente piloto de reserva? Por exemplo tirar a reserva do soutros. Quando um Comandante não pode realizar o vôo e deixar um Boeing 747, um MD-11 ou outra aeronave independente da quandidade de passageiros, ele é penalizado ou é descontado do slário dele? Arcoverde

    ResponderExcluir
  2. Não, não há tripulantes que só ficam de reserva, todos voam, e eventualmente fazem plantão. Se alguém falta, deve haver uma justificativa, que pode ser um motivo de doença em cima da hora, uma batida de carro no caminho do aeroporto, ou uma simples confusão em sua programação. Na "velha" Varig, nunca soube de alguém ser descontado em seu salário. Eu nunca faltei sem justificativa, e quando faltei, sempre avisei a escala de voos com certa antecedência. Aliás, houve sim uma vez que eu fiz confusão achando que determinado voo era só no dia seguinte. Felizmente naquele dia havia um tripulante de reserva, e o voo saiu sem atraso. Fiz um relatório dizendo que havia feito uma confusão e ficou por isso mesmo. Errar é humano, quem é que que nunca errou ao ajustar um despertador? Hoje em dia as empresas são nenos condescendente, então é bom estar atento. Abç, Roberto

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Muito Bom! Já pensei muito nisso, afinal tripulantes tambem sentem dores de barriga...e ai como vai ficar o voo? Agora obtive a resposta! Mas em aeroportos menores onde nao tem nem essa área para os tripulantes nem tripulantes de reserva, vai o piloto de outro voo que estava no seu pernoite no hotel?? ou o voo é cancelado mesmo?
    Sugestão: Faça um post falando do seu Primeiro VOO SOLO!

    ResponderExcluir
  5. Boa pedida, Diogo Jucá! Abçs, Arcoverde

    ResponderExcluir
  6. Roberto, como é gostoso investir 1 hora de minha tarde lendo seus posts! Continue sempre assim!


    Forte Abraço,

    Danilo.

    ResponderExcluir
  7. Percebe-se que a vida de piloto é quase como um sacerdocio,pois sempre se pode ser chamado a uma emergencia!!
    Tambem é unica profissão em que se pode comtemplar a criação de Deus do alto,e eu só peço a Deus que não me deixe morrer sem realizar este sonho!!

    ResponderExcluir
  8. Muito bacana o post e as fotos. Não sabia que Santos era bonita assim de cima. Bem interessante.

    ResponderExcluir