quarta-feira, 4 de maio de 2011

Loucos pela aviação


 Eu já fui um louco pela aviação. Do momento em que despertei para o mundo dos aviões, até o dia em que comecei a voar no aeroclube, eu só pensava “naquilo”.  Comprava revistas de aviação, fazia coleção de tudo que se relacionava às empresas aéreas, montava maquetes e fazia passeios aos aeroportos. Voar passou a ser uma realidade depois de começar a frequentar o aeroclube em busca do Brevet, e aos poucos parei de comprar revistas especializadas, encerrei minha coleção e doei as maquetes que havia montado.  A aviação continua me fascinando, é uma grande paixão que faz com que eu exerça minha profissão com bastante alegria e motivação. Ao contrário de muitos colegas, estes sim, loucos pela aviação, o trabalho me basta.

Para os loucos pela aviação, voar o mês inteiro com apenas oito folgas não é suficiente! Principalmente entre os cariocas, há aqueles que voam de parapente ou asa delta. Estando de folga, não perdem uma boa oportunidade para saltar da Pedra da Gávea. Há também aqueles que possuem seus próprios aviões ou ultraleves.

Alguns pilotos fazem acrobacias aéreas e até participam de provas e exibições. Outros não se satisfazem em apenas pilotar aviões e tiram o Brevet de helicóptero. Recentemente conheci um colega que possui um helicóptero experimental. Que perigo, pensei eu! Nem todos são tão radicais. Há os que se envolvem ativamente nos aeroclubes, com atividades administrativas, sendo membros de diretorias e até presidentes.

Outra modalidade destes aficionados é o plastimodelismo e o aeromodelismo.  Os plastimodelistas não se cansam de montar suas maquetes, que, para o desespero de suas esposas, sempre encontram um espaço disponível em suas casas para expor sua última obra prima. E bota obra prima, pois, ao contrário das poucas opções que havia no mercado na minha época de “maqueteiro”, hoje em dia a variedade e a qualidade das maquetes é surpreendente, além do fato que, pela internet, encontra-se tudo.  Já os aeromodelistas montam e pilotam aeromodelos que podem ser desde pequenos helicópteros que evoluem dentro de um apartamento até aviões que chegam a ter mais de um metro e meio de envergadura. É claro que estes colegas, ao pernoitar no exterior, não perdem a oportunidade de ir a lojas especializadas.

Assim são os loucos pela aviação, escrevem para revistas, lecionam em aeroclubes e até escrevem em Blogs de aviação! Como diz meu colega Anacleto, estes rapazes são tão tarados pela aviação, que nos momentos de maior fissura, ao ir ao banheiro, levam consigo revistas de avião pelado!


17 comentários:

  1. Paixão é paixão,não é mesmo comandante?
    Eu só ainda não consegui realizar o sonho de aprender a voar,mais já voei como passageiro em helicoptero e ultraleve,e ainda pretendo comprar o meu basico para voos de fim de semana!!
    Alem disso leio tudo sobre aviação,especialmente parte tecnica e blackboxes,afinal com os erros se aprende muito,faço minhas escutas da faixa aerea diariamente,e acompanho este excelente blog!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom , fazer o que gosta não tem preço.

    ResponderExcluir
  3. É isso aí, acho que todo apaixonado por aviação é assim!

    ResponderExcluir
  4. Descreve perfeitamente os apaixonados por aviação... Cada dia me apaixono mais, excelente Blog

    ResponderExcluir
  5. O senhor escreve muito bem, com clareza e humor. Minha sugestão é esta: Quando se aposentar, passar a ser escritor. Com sua experiência de contatos com tanta gente, assuntos para livros não vão faltar.

    ResponderExcluir
  6. Walter Valeff Jr.4 de maio de 2011 21:00

    Olá Comandante!
    Apesar de não ser profissional da aviação sigo seu blog religiosamente. A sensação de voar é uma das melhores experiências da minha vida, observo todos os detalhes, curto cada segundo. Percebo pelos seus seguidores e comentários que o senhor se tornou uma referencia de profissionalismo e carisma daqueles que sonham com esta profissão e tem a amizade e o respeito dos seus colegas e ex-colegas. Sugiro amadurecer a idéia de um encontro nacional dos seguidores do "Beto Carvalho". Quem sabe na semana da asa, em São Paulo. Seria um momento de troca de experiências, orientações e confraternização. Quem sabe alguns parceiros (aéreas, universidades, escolas de aviação civil, hotéis etc.) se interessam em participar do evento.
    Já pensou no "GOL de placa" se os participantes obtiverem um desconto nas passagens?
    Pode considerar que eu serei um dos primeiros a efetivar minha inscrição!
    Abraço,
    Walter

    ResponderExcluir
  7. Boa noite comandante, o sr lembra o dia que me convidou no desembarque para adentrar na sua cabine de comando no solo de curitiba no 737-800 daquele dia em diante se eu já gostava de aviação comecei a ficar doente por aviação, sua cordialidade foi tanta que fiquei na porta sem saber o que fazer minha amiga rosi falou vai ele autorizou eu nem acreditava, sentei no seu acento me virei para frente alias com dificuldades porque tenho 1,96 mts rsrsrs, bom ali em segundo passou um filme na minha cabeça segurando o manche com os pés nos pedais nem acreditava naquilo, seu co-piloto tirou algumas fotos e dali segui com aquilo na minha mente, passei a ser um seguidor fanatico, o sr me falou ederson não divulgue esse blog a ninguém rsrs eu joguei a sete ventos, calo que o comandante estava brincando.

    Agora mesmo eu fiquei duas horas no airliners vendo fotos de aviões da gol e varig, tem domingos que fico 10 horas no simulador, inicio uma perna em SBPA e as vezes vou parar em manaus sem contar as escalas, quando inicio meus voos no simulador eu faço todo o procedimento como se fosse no real, comprei as cartas jeppesen faço todos os check list como no real cuido minuciosamente dos calculos ou seja dos limites operacionais da minha aeronave porque posso ser chamado a atenção da minha companhia que é a http://www.golvirtual.org/ aqui levamos tudo a serio como se fosse no real, temos o SOP que é igual ao da gol, eu mesmo sei quase de cor o SOP real da gol rsrsrs, ao inves de ir para cama ler um livro levo o sop rsrrsrs.

    Bom com tanta paixao comecei a construir um simulador de 737-800 que deve ficar pronto em 4 anos devido a complexidade e custo http://projeto737ng.blogspot.com/ é inexplicavel tanta fome por aviões, meu escritório não tem mais espaço para minhas maquetes e quadros, bom para aviação real eu não vou mais conseguir entrar porque as cias so contratam co-pilotos até 36 anos e tenho 34 o negócio e ficar voando com os pés no chão mesmo.

    Um forte abraço comandante eu estava meio sumido ou seja sem tempo mesmo

    Ederson

    ResponderExcluir
  8. Há adorei a idéia de fazer um encontro com o comandante carvalho em são paulo, ta virando celebridade o comandante, daqui uns dias vai ter filas nos aeroportos para pegar autografo, comandante quando o senhor vem para navegantes?

    ResponderExcluir
  9. Bom dia CMD.

    Parabéns pelo Blog,o srº podia me passar o seu e-mail?

    ResponderExcluir
  10. Cmd,nós sabemos que um tripulante pode ter até 5 tipos de aeronaves na carteira,certo?
    Mas um comandante pode voar um tipo de aeronave hoje e outro amanhã?Por exemplo:
    Hoje ele irá para VIX em um 737-300 e amanhã para Manus com um 767???

    E a propósito a idéia do encontro em São Paulo seria muito boa!!!

    ResponderExcluir
  11. É como dizem: Piloto no chão só fala em avião. Quando tá no avião, só fala em mulher. E quando tá com mulher, não sabe o que falar...

    Beto, no dia 21/05 vai ter evento aéreo com exposições, acrobacias, pára-quedismo, etc, no Aeroclube de Brasília. O sr está mais que convidado a comparecer, e seus leitores também! Estamos enviando também ofícios às companhias para averiguar a possibilidade de passagens baixas ou disponibilizar aeronaves para expor.

    Em breve os detalhes estarão em: www.aeroclubedebrasilia.com.br

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Desculpe, o endereço correto p/ o site do aeroclube é:
    www.aeroclubedebrasilia.org.br

    ResponderExcluir
  13. Comandante, algumas dúvidas:

    A operação com APU inoperante, atrasa as etapas devido ao tempo que se perde aguardando conexão de fonte externa e de LPU?

    As companhias possuem GPUs/LPUs e air-cart em todos os aeroportos, ou existe uma empresa que os forneça?

    O que ocorre quando o aeroporto não dispõe de air-cart? Embarca-se e desembarca-se no calor, principalmente nos aeroportos do norte/nordeste?

    E quando a aeronave com APU inoperante precisa pernoitar e não há GPU/LPU no aeroporto?

    Belo post, um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Caros Seguidores, Encontro Nacional dos Seguidores de Beto Carvalho! Parece muito, quem sabe um encontro regional, municipal ou mesmo distrital? Walter Valeff, idéia é boa, vou amadurecer a idéia para um chopinho em outubro.

    Ederson, é claro que eu me lembro do nosso encontro, foi em outubro de 2009. Vo cê foi um dos maiores divulgadores do Blog, te agradeço por isso. Estou aguardando o seu simulador ficar pronto.

    Thiago Fontes, anote aí: vie.carva@ig.com.br Não sei bem como é que funciona esta coisa de mais de um avião na carteira, mas entendo que se tiver os dois, não há problemas. No passado na "velha Varig" já aconteceu de alguém estar voando certo tipo de avião, mas estando com a carteira em dia do avião anterior, sair para um voo. Mas não é comum. Atualmente com a Anac, não sei se seria permitido.

    Diego Pablo, dia 21/05 estou de reserva em Congonhas, se acontecer de ir para Brasília eu tentarei aparecer por lá, obrigado pelo convite. Quem possivelmente vai estar por lá é meu cunhado Gerard André que mora em Brasília e conhece o pessoal (Zequinha, Broda e etc) de Luziânia.

    Mariel, a operação sem APU não atrasa necessariamente uma etapa, mas sem dúvida torna-a mais longa 2 ou 3 minutos, o que é custo para as empresas. As empresas ou possuem equipamento próprio ou usa de tercerizadas. Sem Air Cart e sem Apu, se os motores forem desligados não há como dar partida neles! Há como cortar o motor esquerdo, desembarcar, religar o esquerdo, cortar o direito, abastecer e remover/embarcar bagagens, religar o direito, cortar o esquerdo, embarcar, religar o esquerdo e seguir viagem. Uma operação difícil que exige muita coordenação com o pessoal de terra, e que por isso não é realizada. Sem fonte externa elétrica não há problema pois usa-se a bateria do avião, porém sem fonte pneumática, não tem jeito!

    Preciso ir, tenho apresentação em GRU daqui a uma hora, vou voar para Montevideu.

    Abraços, Roberto..

    ResponderExcluir
  15. Caros,

    Este relato mostra a capacidade técnica da equipe de pilotos da antiga Varig. Uma empresa que, infelizmente, não existe mais... mas que deixa muitas saudades: pela excelência do atendimento de bordo, pela capacidade da tripulação e pelo charme de ser a eterna Estrela Brasileira.

    Certa vez eu passei por uma experiência muito legal a bordo de um 737-300 da Varig (antiga) no trecho Congonhas-Navegantes. Chegamos em Navegantes com um tempo muito carregado... turbulência e uma visibilidade mínima! O pouso, que eu julgava ser impossível, devido às condições e por Navegantes não contar com ILS (pouso por instrumentos) foi muito tranquilo... no estilo "manteiga" ;-)

    Como eu estava com pressa para o desembarque, perdi a oportunidade de cumprimentar os pilotos... mas foi um trabalho de mestre.

    Esta era a nossa Varig... hoje só resta a esperança de que, um dia, a VRG se transforme na antiga Varig de sempre.

    Demerson

    ResponderExcluir
  16. Meu pai possui 12 brevets,e,assim como ele,eu sou apaixonada por aviação,pretendo cursar engenharia aeronáutica.

    ResponderExcluir
  17. Caro comandante,

    Nesses momentos de fissura, essa revista da para o gasto?
    http://img812.imageshack.us/img812/8349/39928910547542959633913.jpg

    Só não deixe sua mulher ver ;)

    ResponderExcluir