sábado, 26 de junho de 2010

Aeroportos que valeram a viagem

Aeroportos podem ser grandes e modernos como o de Paris, ou pequenos e modestos, como o de Uberlândia. Entre os internacionais, um dos meus preferidos é o Schiphol em Amsterdam, que fica a menos onze pés (3,3 metros) de elevação, ou seja, abaixo do nível do mar! Antigamente era mais fácil passear e conhecer os aeroportos, porém, hoje em dia, mesmo sendo tripulante, há muitas restrições quanto à circulação de pessoas, além disso, o tempo que ficamos parados entre uma etapa e outra é cada vez menor, o que dificulta aquela passeada pelo saguão.


Foi voando nas rotas nacionais, principalmente na época do 737-200, que mais pude curtir a simplicidade de alguns aeroportos que faziam as viagens valerem a pena só pelo fato de lá pousar.

Naquela época, frequentemente fazíamos escala em Petrolina/PE. Lá o tempo é sempre bom, vento soprando forte, alinhado com a pista e a temperatura em torno dos 30 graus. Uma paisagem linda com muitas terras cultivadas e o visual do Rio São Francisco. Durante a escala, enquanto passageiros desciam e subiam e a aeronave era reabastecida, metade da tripulação (um piloto e dois comissários) aproveitava para dar uma volta pelo saguão do aeroporto para comprar alguns produtos locais. Frutas maravilhosas, vinhos da região do Vale do São Francisco e uns aspargos deliciosos. Até o dia que encontrei em um supermercado perto de casa os mesmos aspargos, só que com um preço ainda melhor!

Outro aeroporto interessantíssimo é o de Trombetas. Este pequeno aeroporto, localizado a 200 quilômetros de Santarém, atende principalmente ao Porto Trombetas, localizado às margens do rio Trombetas, em Oriximiná/PA, o segundo maior município do estado. Inteiramente construído em madeira, amplo e arejado, lembrava uma grande churrascaria de cidade de interior. Era gostoso observar a arquitetura do local e conversar com o operador da estação de rádio-comunicação, que sempre nos falava da A.F.A. Era a Associação de Fofoqueiros da Aviação local, que tinha até estatuto e folhetos impressos com as regras do pessoal. Uma delas era pedir aos pilotos que por lá passassem, que caprichassem nos pousos e decolagens, se esforçando para proporcionar sempre o melhor visual para aqueles que estavam em terra observando o vem e vai dos aviões. Assim, nas decolagens, assim que saíamos do chão, voávamos em um breve rasante sobre a pista para em seguida subir em curva acentuada sobre o aeroporto. O operador da rádio, em nome da AFA, agradecia.

Finalmente vale a pena comentar sobre o aeroporto de Campina Grande/PB, onde éramos extremamente bem recebidos pelo mecânico Francisco “Canindé”. Durante o mês de junho, as escalas em Campina Grande tinham um charme todo especial. As festas juninas se estendiam até o pátio das aeronaves, e durante todo o tempo de "trânsito" do voo, uma quadrilha junina se apresentava junto ao avião. Os passageiros ao descerem a escada do avião, já passavam pelo "túnel" formado pelos integrantes da quadrilha. No momento do embarque era a mesma coisa. A cada dia um novo grupo se apresentava durante aqueles 25 minutos em que ficávamos por lá. Era muito bacana de ver!

É uma pena que hoje em dia a aviação seja muito corrida, pois o contato que tínhamos com o pessoal dos aeroportos era muito gostoso, e isto fazia com que cada escala tivesse um sabor especial.

11 comentários:

  1. Hoje em dia o senhor fica em média quanto tempo em solo? E ainda dá pra manter um contato com o pessoal de terra neste curto tempo?

    Abração e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. O tempo costuma ser de 25 minutos em média, portanto, pode ser menos ou mais. Sendo 5 a 10 minutos para desembarcar, e mais 5 a 15 minutos para o embarque, sobra pouco tempo. Até dá para ter contato, mas aquela passeada pelo aeroporto é cada vez mais rara. Abç, Roberto.

    ResponderExcluir
  3. Jorge Santiago de Holanda27 de junho de 2010 16:41

    Muito legal seu post comandante. Tenho um DVD da Total Linhas Aéreas que mostra vôos de ATR-72 exatamente nas cidades que o sr. citou: Uberaba, Uberlância, Porto Trombetas, Tucuruí, Paraintins, Altamira, Carajás e outras. São aeroportos pequenos, pouco estruturados, com aspecto de rodoviária, mas muito interessantes de se ver. E com um aviao regional turbo-hélice, se torna ainda mais interessante.

    ResponderExcluir
  4. Por falar em DVD comandante o sr. já estava na Gol a época da gravação do DVD da Just Planes sobre a Gol? Já assistiu a esse belísssimo DVD?

    ResponderExcluir
  5. Cmte. Roberto, vejo constantemente notícias sobre balões nos céus, voando perto dos aeroportos. Já teve alguma experiência com balões ?
    Abraços e desculpe se sesse assunto já tenha sido tratado aqui no Blog.
    Bernardo - BHZ

    ResponderExcluir
  6. O DVD Just Planes Gol realmente é um espetáculo. Tem um pouso do comandante Telmo em Curitiba girando a base praticamente em cima da pista e ainda por cima manteiguinha, o cara domina mesmo a máquina.

    E tem outro dele em Navegantes com chuva sensacional. Voa muito o Telmo.

    ResponderExcluir
  7. Não assisti estes DVDs a que vcs se referem. Conheci o Cmt Telmo, voamos juntos no 767 em voo para Roma com escala em Paris. Quanto aos balões, já vi muitos, e felizmente nunca trombei com um deles. Escrevi sobre eles em setembro do ano passado (http://betocarva.blogspot.com/2009/09/ha-algo-mais-nos-ceus-alem-dos-avioes.html) Abçs, Roberto..

    ResponderExcluir
  8. O DVD é este aqui cmte.:http://www.worldairroutes.com/GOL.html

    Vale a pena comprar.

    ResponderExcluir
  9. Uma vez ouvi um comandante dizer que gostava mais de aeroporto que não tem finger. Por que segundo ele no aeroporto sem finger, você vê melhor as pessoas, o pessoal de terra, é um aeroporto mais aconchegante, não é aquela coisa chata de entrar direto no avião.

    E sinceramente não estando chovendo eu também prefiro aeroporto sem finger.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Caro Matheus, acho ótima a sua idéia de uma parceria, o problema é que eu não sou bom nos assuntos de computador. Com muito esforço eu consegui colocar um contador no meu, e já tentei acrescentar outros "periféricos" sem sucesso. De qualquer forma vou acompanhar o seu blog. Um abraço, Roberto.

    ResponderExcluir